Diariamente eu vejo no Instagram ou em grupos do Facebook, pessoas reclamando que não conseguem fazer fotos bonitas com a GoPro, como as que vemos os digital influencers publicando em seus perfis. Muitos desapontados, acabam vendendo a câmera por preços bem abaixo do mercado e retornam para o bom e velho celular. Mas por quê algumas pessoas conseguem fotos incríveis com a Gopro e outras não? Se esse é o seu caso, se liga. Vou explicar aqui neste post os motivos que acredito que você esteja falhando.

1. Falta de prática

Parece meio óbvio e é, mas a falta de prática com a GoPro é um dos principais motivos para que suas fotos não fiquem incríveis. Quando eu digo prática, me refiro ao ato de usar a câmera mesmo nas mais variadas funções disponíveis e entender qual a função mais adequada para cada foto ou momento. E você só vai descobrir isso praticando mesmo.

O problema é que muita gente compra a câmera, guarda e fica esperando aquela viagem incrível pra poder colocar a mão na massa. Sem prática, as fotos não ficam como gostaria e se decepciona. Minha recomendação é: fotografe sempre com a GoPro até você se acostumar com ela e não espere uma viagem com um rolê importante. Estamos acostumados a fazer fotos com o celular, com a câmera geralmente no automático e ainda temos toda a tela pra ver previamente como a foto vai ficar. Na GoPro, apesar da tela, é muito difícil prever como as fotos ficarão, principalmente quando é selfie. Ter habilidade é fundamental.

2. Não saber usar os modos para cada situação

A minha GoPro é a Hero6 Black. As funções básicas dela são muito parecidas com as da 5 e da 7. Falando especificamente de fotos, a GoPro tem modos manuais e modos automáticos. Confesso que ultimamente eu tenho deixado no modo automático visto que é exaustivo ficar ajustando a câmera toda vez que mudamos de ângulo, de local, de assunto. As chances de errar no modo automático é menor que regular manualmente sem muita prática.

Para fazer fotos, a Gopro conta com as seguintes funções: Foto, Foto a noite, Disparo contínuo e foto com lapso de tempo. Vou falar um pouco mais sobre essas funções abaixo.

Função FOTO:

É aquela função mais básica: apertar o botão de disparo e ela capta um momento. É possível configurar para o modo linear, sem aquele efeito arredondado característico da GoPro (ideal para quando o assunto está mais próximo ou quando quer se evitar a deformação da paisagem ou de edifícios, por exemplo).

Nesse modo o campo de visão da câmera é reduzido em comparação ao modo amplo, mas ainda assim, um campo bem maior do que vemos na maioria dos celulares.

O modo amplo também é o mais tradicional e dá essa sensação de envolvimento com a foto ficando com aspecto arredondado, ideal para registrar todo o ambiente da foto.

Importante 1: Neste modo você precisa acionar o botão com a mão, logo, não é a função ideal para selfies principalmente com grupos, visto que a distância entre a câmera e o assunto será muito pequena.

Importante 2: Você tem a opção de ativar o modo PROTUNE. Nesse modo você ajusta manualmente as configurações da câmera para registrar um momento, como nas DSLR (aquelas profissionais e semiprofissionais características por ter lentes intercambiáveis – que são trocadas conforme o objetivo do fotógrafo).

O problema é que se você não souber muito bem o que cada ajuste vai fazer com a sua foto, a chance de dar muito errado é grande. Se você entende o que é velocidade de obturador, ISO, exposição, etc, boa sorte. Você vai conseguir tirar o máximo da câmera. Se não, tudo bem, melhor deixar no automático que não tem erro. Eu deixo no automático mais por preguiça mesmo de ter que ficar ajustando a câmera a cada mudança de condições do cenário (quantidade de luz, etc). Me julguem. Rs

No modo HDR automático, normalmente a câmera registra quase simultaneamente, duas fotos em condições diferentes (muita exposição e pouca exposição, por exemplo) e une essas duas fotos tornando a imagem mais viva, mais nítida e com mais detalhes. No entanto, é preciso entender que essa função é ideal para fazer fotos onde não há nenhum tipo de movimento ou a chance de a imagem final sair desfocada ou borrada é muito grande. Se for fazer uma foto posada, ótimo. Se o assunto estiver em movimento, melhor não. Mesmo a falta de controle na hora de apertar o botão da GoPro pode fazer a foto ficar borrada.

Por fim, temos o formato RAW. É ideal para quem usa programas de pós edição, como o Lightroom. Isso por que a câmera vai tentar capturar o máximo de informações e você terá que fazer a edição dessas informações usando um programa. Normalmente fotógrafos profissionais usam sempre esse formato para terem liberdade de destacar e corrigir detalhes que numa foto em .JPG não seria possível. De qualquer forma, se você não tem tanto conhecimento sobre edição e não quer pagar por um software para isso, tal função acaba sendo irrelevante. Por ter mais informações, esse formato de arquivo é maior, vai ocupar mais espaço e vai exigir um cartão com mais capacidade, dependendo do quanto você fotografa.

Modo noturno: confesso que eu nunca usei, acho péssimo. A Gopro não é uma câmera para a noite. De qualquer forma, dá pra fazer fotos bem legais usando iluminação. Para isso você vai precisar de um pedestal para manter a câmera imóvel enquanto capta o movimento da luz. O efeito é bacana. Fazer qualquer foto em modo noturno com a câmera na mão é pedir pra passar raiva. Vai sair tudo borrado.

Disparo contínuo

Esse modo é bem legal para aquelas fotos em que se quer pegar um momento exato. Tipo aquelas fotos pulando. Você pode programar para que a câmera registre 30 imagens em um segundo, por exemplo, e dificilmente você vai perder aquela foto do pulo. Mais uma vez é importante repetir: você precisa praticar para descobrir qual a melhor configuração para registrar um pulo (por exemplo). Fotos com Dome, também é recomendável usar os disparos contínuos, assim vai ser muito mais fácil pegar um momento do que clicando foto a foto ou via timelapse.

Timelapse

Essa função é excelente para fazer selfies. Basta posicionar a câmera, seja num tripé, seja na mão ou com auxílio de bastão e ir mudando de pose ou de posição. O tempo de captura depende muito do que se deseja registrar. Esse modo é bacana para se fazer fotos espontâneas, mais livres. Eu gosto de usar o intervalo de 2 segundos por clique. Menos que isso, somente quando quero capturar movimentos. A partir do intervalo de 5 segundos, é possível ativar os modos Protune e RAW, mas novamente, não faz muita diferença, exceto pelo fato dos arquivos serem maiores.

3. Não investir em acessórios

A gente sabe que a GoPro não é uma câmera barata, e seus acessórios (originais) não ficam por menos, mas se você tem uma GoPro sem acessórios, aí vai uma notícia triste: uma GoPro sem acessórios é como ter uma tela, tintas, mas não ter pincéis. As fotos mais criativas com GoPro depende de algum acessório extra. Mas você não precisa se desesperar: há muitos acessórios paralelos por preços bem mais em conta a venda. Só dar uma olhada no Mercado Livre. Claro que eles não terão a mesma qualidade e durabilidade de um original, mas já quebram bastante o galho e o importante é que a foto vai sair perfeita.

Comece investindo num cartão Extreme PRO V30. Eu tenho dois. Um de 64GB e um de 32GB, mas se você não costuma fazer vídeos, um só é suficiente. Cartões ruins vão danificar a sua câmera e não vão responder de forma eficiente aos comandos, correndo o risco de travar bem na hora em que você mais precisa.

Um bastão do Tipo 3 Way articulado é um dos mais versáteis acessórios e dá pra fazer fotos de modos diferentes. O original está por volta de 280,00, mas você encontra paralelos por cerca de 50,00. Ele é interessante pois é possível reduzir o tamanho, mudar a angulação através das articulações e também vem com um mini-tripé.

Eu tenho o bastão extensor da GoPro que é muito bom quando quero fazer fotos do tipo selfie que pegue todo o ambiente, mas também reduz em três níveis para fotos aproximadas. Custa em média 300,00.

Há muitos outros acessórios, mas você só precisa adquirir aqueles que acredita que são necessários para registrar as suas experiências. Conheço pessoas que têm caixas de acessórios que nunca usa. Baita desperdício.

4. Não ter paciência

Pessoal, acredite: quando você vê uma foto sensacional no Instagram feita com uma GoPro, a chance dela ter sido o primeiro clique é praticamente zero. Muitas vezes é preciso fazer centenas de cliques para que uma ou outra fique perfeita. É preciso paciência. Geralmente as pessoas saem realmente para fazer fotos, e isso faz toda a diferença, pois ela terá toda a dedicação para fazer fotos muito boas.

Além disso, é preciso fazer uma análise do local, melhor ângulo, luz, pois tirar fotos contra o sol fatalmente a foto vai ficar estourada, vai ter aqueles filetes de luz que estragam uma foto boa ou se não tiver luz, vai ficar escura, sombreada, etc. Tem que ter paciência para refazer a foto até que fique a altura do que você quer.

E sim, vai gerar uma quantidade gigante de fotos que não vão servir pra nada, mas depois de escolher os cliques perfeitos, é só deletar o resto. Mas até nesse momento, é preciso paciência para selecionar os melhores cliques, de preferência, no computador, nunca pela própria câmera, pois é quase impossível ver todos os detalhes naquela telinha

5. Edição

Chegamos em um ponto polêmico. Muita gente torce o nariz quando o assunto é edição de foto, mas a verdade é que todo fotógrafo que se preze edita duas fotos. Seja apenas para corrigir algum elemento, sombra, luz, tom de azul, ou para dar uma textura mais artística, editar a foto antes de publicá-la é fundamental e as fotos da GoPro precisam desse processo. Não importa se é no Lightroom no Computador ou no Smartphone ou no Snapseed ou outro aplicativo de celular. É importante dar o seu toque pessoal à sua foto. A edição separa fotos comuns de fotos espetaculares. E pra fotos de GoPro essa regra é lei.

Uma coisa que facilita e muito a vida é usar Presets. Apesar de estar associado muito à Imagem do Lightroom, no Snapseed também é possível salvar nossas edições e aplicar em outras fotos numa próxima vez. O conceito de preset é basicamente esse. Um ajuste que a gente faz numa foto e salva esses ajustes para aplicá-los em uma outra foto, assim não precisamos fazer todos os ajustes do zero.

O grande problema é que o preset originalmente foi feito para uma imagem específica. A menos que a outra imagem seja muito parecida, em termos de cores, iluminação, etc, dificilmente o preset vai ficar bom de primeira. Vai ser sempre necessário fazer pequenos ajustes para que a imagem fique boa, seja aumentar e diminuir a claridade, a saturação ou mexer em alguma cor específica.

Se você nunca ouviu falar de preset, ou não faz ideia de como isso funciona, não tem problema. É mais uma coisa pra você dominar em busca da foto dos sonhos. Neste link eu mostro como faço a edição da foto abaixo usando o aplicativo Lightroom. Assista para entender como é esse processo e até começar a treinar aí com suas fotos.

Neste post a gente falou sobre…

  • Por que exercitar o hábito de fotografar com a GoPro é importante;
  • Como cada modo da GoPro pode ser usado para cada situação;
  • A importância dos acessórios para a foto perfeita;
  • Como ter paciência e perseverança é fundamental para fazer boas fotos;
  • E como a edição faz toda a diferença entre uma foto comum e uma foto incrível.

 

Espero que com isso você consiga refletir sobre a forma que você usa a GoPro e não seja mais um que abandona a coitada por achar muito confusa de usar. Se esse post foi útil pra você, comenta aqui. É sempre bom saber! Se conhece alguém que já tenha reclamado da Gopro, manda esse post pra ele!

Até a próxima! Boa foto 😉

DEIXE UM COMENTÁRIO